25 de junho de 2012

o bolo mais bonito da cidade: bagaço de milho

China & A Banda Mais Bonita, show no Teatro Paiol, 16/6.

Morar longe do namorado me deixa melancólica às vezes, mas sempre tem os amigos pra dar aquela passada no bar e falar mal de alguma coisa juntos. A vocês, minha gratidão pelos papos e cervejas. :)

Uma vantagem disso, no entanto, é ter a desculpa de comemorar "o final de semana dos namorados", em que qualquer extravagância seria permitida, se a gente fosse extravagante. Mas somos felizes comendo e passeando (mentira, não temos verba pra frescura nem paciência) e passamos o final de semana do dia 16 inventando comida (como as minipizzas!).

No sábado, deu vontade de tomar sorvete de milho e aproveitei para usar a batedeira e a fome do Chile pra me ajudar a fazer um bolo decente. E conseguimos! Trabalho em equipe é sempre bom!


O trocadilho bobo vocês já sacaram que fiz porque fomos ao show d'A Banda Mais Bonita da Cidade & China no Teatro Paiol no sábado. Foi muito bonitinho, a iluminação estava linda, aquela menina canta muito bem (de arrepiar!) e o China era o mais empolgado, o que fez toda a plateia rir várias vezes. Foi um ótimo final de semana e com certeza um dos mais divertidos. Não é ótimo sentir isso? Todo final de semana deveria ser final de semana dos namorados, haha.


Parece mofo, mas é farinha de trigo da forma, proveniente da técnica apurada do Chile para untar formas: margarina e quilos de farinha por tudo. Pelo menos dessa vez o bolo não abatumou graças às neves e desceu inteiro!


Bom, arregaçando as mangas agora: com o bagaço do milho que sobrou do sorvete resolvi tentar refazer essa receita e, acreditem, as malditas claras em neve fazem toda a diferença. Mudamos algumas coisinhas, como vocês podem perceber:


2 xícaras de açúcar demerara
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
1 xícara de leite
2 colheres de sopa de margarina
1 xícara de bagaço de milho (na verdade não enche totalmente a xícara)
3 ovos


Batemos as claras em neve na batedeira até ficar consistente. Misturamos as gemas com o açúcar e a margarina, misturando até ficar homogêneo. Depois, vai o bagaço e, aos poucos, a farinha e o leite. É bacana peneirar a farinha enquanto adiciona mexendo a massa, assim evita aquelas bolinhas de trigo no meio do bolo. Quando estiver bem homogêneo, misturar as claras em neve à massa com cuidado, para deixá-la arejada. Por fim, o fermento. Assar de 40 a 50 minutos a 180˚, em forno pré-aquecido.




Bolo no dia seguinte: fofinho e decente!

5 comentários:

  1. Tu tem duas mesas com duas toalhas diferentes? Que riqueza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não acha que seria mais fácil ter várias toalhas? :)

      Excluir
  2. Faltou comentar sobre as tradicionais batidas de colher na forma, que geralmente fazem o bolo abatumar por perder o ar, teoria cross-cultural do curso de design de jóias aonde ficamos batendo a colher na forma com resina p/ tirar todas as micro bolhas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, pois é... só que todos os bolos que abatumaram antes deste aqui eu também não bati a colher na forma, não.

      Excluir
  3. Flávia fazendo um bolo inteiro e fofinho. A prova de que todos nós crescemos!

    ResponderExcluir