19 de agosto de 2012

cores e sabores quentes: risoto de vagem com cenoura e açafrão




Pra tirar o pó dessa caçarola aqui, preciso dizer que meu último risoto ficou melhor que todas as refeições que preparei anteriormente no mês que passou. O Chile veio passar uns dias aqui em Curitiba e experimentar esse veranico atípico da capital paranaense. O calor faz suar a dobra do joelho e de noite tem um vento fresco, mas nada congelante. Faz muito tempo que não passo frio, e quem me conhece sabe o quanto isso é raro.
Depois de uma bela volta na feira do Largo da Ordem e voltar com alguns achados bacanas, o Chile foi trabalhar na sala e eu fui esquentar (mais ainda!) a barriga no fogão.


Agora eu tenho um veado de bronze!

Tinha umas vagens do tipo holandesa que já estavam quase se perdendo e no dia anterior eu fiz um caldo de legumes e guardei pro risoto. Explico o caldo abaixo e o risoto logo depois. São supersimples, ó:




Caldo de legumes
Na sexta-feira a minha janta foi uma travessa cheia de batatas e legumes (tipo esta aqui) e como alguns pedaços ficaram grudados no fundo, despejei mais ou menos um litro e meio de água e dois galhos de orégano fresco e fervi na boca do fogão. Deixei esfriar e guardei na geladeira.





Risoto
2 dentes de alho esmagados e picados
1 cebola pequena picada
dois punhados de vagem holandesa (não pesei, foi mal!) picada pequeninha
1 cenoura pequena em rodelas finas
arroz arbório (também não pesei nem medi, mas acho que três xícaras bastam)
1 colher de sopa de molho de tomate
caldo de legumes
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
1 colher de sopa de manteiga sem sal
açafrão, sal e pimenta calabresa

Refoguei o alho e a cebola na manteiga com açafrão e sal. Doura bem rápido. Coloquei a vagem, mexi e tampei por um minuto, antes de colocar o arroz. Adicionei o caldo de legumes (fervente) até tapar todo o conteúdo da panela e o molho de tomate. Quando o arroz já inchou, mas ainda não havia cozinhado, juntei a cenoura e continuei mexendo. Conforme a água ia secando, adicionava mais uma concha de caldo, sempre mexendo. Assim que ficar pronto, ainda com um pouco de água para mexer adicionei o parmesão, a pimenta e corrigi o sal.


Ainda tenho muitos rangos que preparei, mas senti que esse risoto deveria cortar a fila porque ficou muito bom, modéstia à parte. Ainda tenho uma sopa preguiçosa de beterraba, abobrinhas no forno, macarrão com molho de tomate com cogumelos paris (foi o que mais comi nos últimos tempos) e um purê de batata com linguiça, pra mudar um pouco o cardápio. Qual vocês querem ler primeiro?

5 comentários:

  1. oh, god, eu nem sabia que existia orégano fresco! lendo a flanzie e aprendendo :)

    voto nas abobrinhas no forno

    seu veado é lindo

    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pô, Luisa, sério? É infinitamente melhor que o desidratado. Acho até que tem mudas pra vender no Angeloni, mas é mais barato em algumas floriculturas/lugares que vendem plantas além de flores. :)

      1 voto para a abobrinha computado!

      Excluir
    2. meu voto vai pra sopa de beterraba, pra aproveitar o restinho do inverno - se é que vai ter mais dele ainda

      Excluir
  2. Mmm. A sopa é mais colorida haha mas como eu jamais saberia fazer abobrinhas ao forno sem dicas tuas, esse é meu voto pra primeiro (contanto que todos os outros posts venham na sequencia).
    Ainda vou me aventurar no terreno do risoto uma hora dessas...

    beijo, xu.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo17:54

    fiz o risoto e adorei, eu amo fazer risotos desde que não haja carne :-)

    ResponderExcluir