27 de novembro de 2012

mis porotos e a saudade dos Chiles

Com pimenta calabresa e cebolinha fresca.


Bateu saudades da viagem ao Chile esses dias e calhou que o Chile-namorado vinha me visitar. Fazia poucos dias que meus sogros tinham voltado para o país de origem e, mesmo que ele não tenha me dito, sabia que a vontade de ele ir junto por um tempo era/é grande. Nessas horas de saudade, alguma receita que remete ao tempo ou lugar que habita as memórias é sempre um alento.

Fiz minha própria versão dos porotos con mazamorra do tío Hugo para recebê-lo (vocês devem lembrar: tío Hugo e tía Paty foram nossos anfitriões no Chile, muito amáveis -- confesso que não sei ainda como retornar toda a hospitalidade e carinho que recebi deles). Primeiro, porque uma das coisas que fazem o mês valer a pena é ver ele sorrir (se vocês não entendem o que é isso, lamento. zoações não serão aceitas). Segundo, porque foi uma das coisas mais gostosas que provei enquanto estivemos lá e é bem simples de preparar.

Tía Paty y tío Hugo: saudades! Essa ainda é a melhor palavra para dizer o que sinto, enquanto meu espanhol engatinha... (foto tirada pelo Chile)

Confesso que fiquei com medo de fazer algo que estragasse totalmente minhas lembranças do sabor original, por isso demorei quase um ano pra tentar algo parecido. Por favor, percebam que é uma receita inspirada nas diversas formas de preparo de feijões verdes. Não achei os tais para debulhar, por isso usei feijão branco, comprado no mercado municipal. Cozinha relativamente rápido e não precisa de panela de pressão.

Entendo se vocês não acharem a cara do prato tentadora. É que eu adoro coisas de comer com colher, purês, guisados, etc. Mas isso vocês já sabem de muitos posts. Espero que se animem a experimentar também.


250 g de feijão branco
1 abóbora paulista em cubos
1 cenoura em cubos
4 dentes de alho picado fininho
1/2 cebola em cubinhos
1/2 pimentão vermelho em cubinhos
2 folhas de louro
um buquê de ervas: manjericão, orégano e tomilho (fique à vontade para acrescentar ou diminuir as ervas)
milho de duas socas médias
sal e azeite de oliva

Primeiro, cozinhei duas socas de milho, deixei esfriar e tirei os grãos com uma faca. Reservei. Cozinhei os feijões e a abóbora (sem sal) por 20 minutos. Em outra panela, refoguei o alho, a cebola, o pimentão e a cenoura em azeite de oliva. Juntei o conteúdo da primeira panela e o buquê de ervas e as folhas de louro. Salguei e deixei cozinhar até que a cenoura ficasse macia. Juntei o milho e deixei ferver mais um pouco, sem deixar a água evaporar completamente. Desliguei e passei pelo mixer rapidamente, para que alguns pedaços ficassem inteiros.

2 comentários:

  1. Nossa, quando li você dizer "Entendo se vocês não acharem a cara do prato tentadora" pensei COMOASSIM (?)
    Também adro coisas de comer com a colher, amei a cara e quando li a receita... me apaixonei por inteiro...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adri, nesse mundo culinário, o povo gosta de apresentação impecável. O sabor já é outra história...

      Excluir