13 de maio de 2013

como cozinhar sem receitas


O blog está morrendo, eu sei, mas a culpa não é minha. A rotina mudou e estou cozinhando pouquíssimo, mal e porcamente uma vez por semana. Vou ressuscitá-lo com uma resenha que escrevi há pouco tempo para a revista Bom Gourmet, da Gazeta do Povo, sobre o livro Como Cozinhar sem Receitas, do inglês Glynn Christian.


Christian começa o livro detalhando os cinco gostos básicos: doce, salgado, amargo, azedo e umami e o que os caracteriza. Assim como a língua tem receptores para os gostos primários mais conhecidos, o mesmo vale para o umami, sabor dos alimentos que têm naturalmente mais glutamato, substância que realça sabores. Umami seria o gosto do conforto, o abraço que o tomate maduro assado, a carne assada ou o dashi (caldo japonês à base de algas) dão em suas papilas gustativas – tanto que a tradução é algo como “delicioso”.

Pra ler tudo, clica aqui.

E como eu acho que se cozinha sem receitas? Primeiro, prestando atenção no que você come. Se for comida de verdade, já é meio caminho andado (caso ainda haja dúvidas, produtos industrializados não são comida). E se você não é medroso, dá pra arriscar refazer o prato em casa ou reinventar com os mesmos ingredientes.

Segundo: comendo mais em casa do que fora e enchendo o prato com comida fresca (legumes, frutas, verduras e toda sorte de coisas que vêm da terra) e temperos frescos. Você vai ver que a naturebice tem tanto sabor que você não vai mais precisar colocar sazon em cada panela fervendo. Boicotar o miojo e a sopa de pacotinho também ajuda a repensar a janta rápida no meio da semana.

Um comentário:

  1. Hoje pela manhã cohegamos á concnversando com marido conclusão que pegamos nojo de alimentos industrializados... Parece que a pizza congelada tem o mesmo gosto da lasanha, que tem o mesmo gosto do doritos, que tem o mesmo gosto do sorvete... BLERGH

    ResponderExcluir