19 de janeiro de 2015

desidratar para durar

Nada me deixa mais desacorçoada do que o verão. Talvez o verão em que eu tenha que trabalhar. Como estou de férias – as primeiras desde aquela viagem para o Chile que virou quatro posts (I, II, III, IV) – tenho todo o tempo do mundo para:

a. dormir até às 11h
b. ler por horas seguidas (principalmente de madrugada)
c. escrever por horas seguidas (principalmente de madrugada)
d. desidratar tomates, cogumelos, ervas e frutas no meu novo eletrodoméstico que trouxe do Chile (fui pra lá de novo)
e. tentar manter o bom humor apesar de estar suando até na sola do pé

Desidratador em ação com apenas uma das cinco prateleiras.



Minha predileção é pelos itens a e b, porque custam menos energia e no verão a gente tende a comer menos, então a preguiça é propícia. São também duas atividades que posso fazer deitada, o que me agrada muito. Mas o desidratador também tem uma parcela da minha dedicação (em pé, devidamente vestida, de cabelo preso – o oposto da languidez em minha cama de frente para o ventilador). Primeiro porque já está biblicamente quente, então tudo está desidratando na temperatura ambiente (e estragando muito rápido também), portanto vamos terminar de uma vez por todas o processo e aproveitar para estocar. Segundo porque eu sempre quis poder fazer em casa meus próprios tomates secos e nunca tive paciência para cuidar do forno por horas, ligando e desligando, deixando a porta aberta para sair o ar quente e não assar ao invés de só tirar a água e manter todas as propriedades do que estava no forno.

Cogumelos paris fatiados finamente e desidratados por seis horas. O sabor se concentra e ao desidratar ele impregna a casa de cheiro de cogumelo.

Eis que por uns cem pilas (e mais alguns reais a mais, é verdade), conseguimos comprar um desidratador feito de plástico no Chile. Ou seja: leve, prático e pequeno, bem diferente do único desidratador não industrial que encontramos para vender no Brasil por quase oito vezes o valor desta belezura. Ele vai de 30 a 70 graus C e parece muito vagabundo, mas achei melhor comprar um que vem funcionando que comprar várias traquitanas e ter que montar o meu próprio (e, além de tudo, poderia ficar feio). O fato é que achei barato se considerarmos que custa o mesmo que um secador de cabelo, a primeira coisa que pensamos em usar quando cogitávamos a hipótese de fazer um em casa. Ar quente e circulação do mesmo entre as prateleiras é tudo o que se precisa para ter sucesso na empreitada.

Três tomates-cereja cortados e desidratados por cerca de 24 horas (eram menores e as fatias mais finas desidratam mais rápido) à esquerda. À direita, tomates-cereja frescos inteiros. Ao perder toda a água e o sabor se concentra, parece mais doce e azedinho ao mesmo tempo. Vai ficar ótimo em saladas!

Assim como as metades de tomate-cereja que deixei nada mais nada menos (talvez um pouco mais, na verdade) que 30 horas desidratando entre 50 e 70 graus C (dependendo da impaciência), cá estou eu, paradinha e desidratando aos quase 40 graus C que devem fazer do lado de fora do eletrodoméstico. Vou durar bastante desse jeito.

6 comentários:

  1. Oi td bem?
    Em que loja de lá vc comprou o desidratador?
    Estou indo pra lá e estou doida por um tb... =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daniela! Meu namorado foi para lá algumas semanas antes de mim e comprou num lugar mega longe! Não lembro o nome (e ele não está em casa agora), mas eu vi em várias (de verdade!) lojas no estilo "casa do confeiteiro". É só perguntar pelo desidratador da Blanik. :D
      Este é o modelo: http://fernapet.mercadoshops.cl/blanik-deshidratador-de-alimentos-garantia-mira-el-video-2071xJM

      Espero ter te ajudado!

      Excluir
  2. Muito obrigada pela atenção e retorno!! Se vc lembrar do nome de alguma loja desse estilo me fala, por favor? So viajo em 10 dias... =)
    To procurando mas ainda não lojas desse estilo e gostaria muito de ir!
    De qq forma já super valeu!!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniela, falei com ele! O lugar mais central e bacana pra você conhecer em uma tarde é um shopping voltado a design que se chama Drugstore, no bairro Providencia. :)
      Em todos os lugares que a gente viu o desidratador estava mais ou menos o mesmo preço, uma diferença de R$ 30 no máximo. Eu infelizmente não lembro quais os nomes das outras lojinhas que a gente passou, mas foi num trajeto a pé pelo centro que a gente caminhava e olhava as vitrines de lojas de bugigangas e via que tinha facas e bicos de confeiteiro pra vender e entrava só pra dar uma assuntada, haha. Lembro que nestas lojas simples também tinha o mesmo desidratador!

      Boa viagem! Aproveite o Chile, lá é muito delicioso!

      Excluir
    2. Esqueci de falar: na Drugstore tem uma loja de utensílios pra cozinha e lá tem o desidratador. É perto do metrô e você pode ver várias coisas ao mesmo tempo e não se deslocar só pra comprar o negócio. ;)

      Excluir
  3. Adorei as dicas!! Muuuito obrigada!
    Beijos

    ResponderExcluir