9 de março de 2015

pasta alla norma para o mês da mulher

Ignoro deliberadamente o fato desta combinação de berinjela frita com tomate e manjericão ter sido inspirada em uma ópera. Nem me abalo, porque no livro A Itália de Jamie, "Jamie Oliver" (aspas quanto baste) também não sabia quem foi Norma. E, veja só, Jamie tem uma equipe, que é quem faz os livros dele. Eu não, e mesmo assim tirei alguns minutos da minha vida para sanar essa curiosidade: Norma é uma ópera do século XIX. Parece chatérrima, primeiro porque é ópera, segundo porque se passa em 50 a. C., uma época em que não havia saneamento básico nem fogão quatro bocas. Se é verdade que este prato foi inventado depois que a ópera estreou, só pode ter sido uma ironia da mamma criadora. Praquela época era mais fácil ter pão essênio e vinho.



No lugar deste enredo que mistura traição, um quase infanticídio e um suicídio, prefiro pensar que Norma era uma senhora de 1940 que tinha que inventar novos preparos com uma dúzia de berinjelas para alimentar dez filhos, ir pra fábrica trabalhar, lavar a roupa no tanque e aguentar o bafo de grappa do "homem da casa". Não é uma história impossível; inclusive é mais plausível que o enredo da peça do Vincenzo Bellini. Tem bastante drama, orégano, manjericão, tomates e alho e justifica a homenagem. Em qualquer uma das narrativas, porém, é a mulher que se fode de alguma maneira e tem lá um cara para mais atrapalhar que ajudar. Normas, nós, mulheres do futuro, gostaríamos de voltar no tempo pra quebrar de pau esses estorvos, mas infelizmente muitas de nós ainda vivemos numa situação escrota. Fica aqui a nossa solidariedade e memória a todas as mulheres que enfrentam esse tipo de coisa. Ninguém merece.

Felizmente (pra mim) eu estou em um relacionamento saudável e tenho uma vida bem confortável. Antes de botar a vida em perspectiva desta maneira, na sexta passada a gente tava morrendo de fome e não podíamos parar por muito tempo de trabalhar (a jornada dupla aqui em casa é igual pros dois). Por isso mesmo, ambos mal humorados e querendo empurrar pro outro a tarefa de inventar algo pra comer. Também não tinha muita coisa em casa. E nem íamos pedir comida e gastar os tubos em taxa de entrega. Fui pra cozinha. Vi uma berinjela e um resto de passata de tomate e pensei: é nóis. Adaptei a receita do livro do Jamie, acrescentando meia cebola em tiras e trocando a ricota por polpa de amêndoa com sal, alho e azeite (mistura tudo e seca na frigideira como se fosse fazer farofa). Todas as receitas que vi pediam pra salgar a berinjela e deixar descansar, fritar no azeite no azeite e reservar, depois fazer o molho e juntar a berinjela mais pro fim e aí quando o macarrão ficasse pronto era pra deixar um pouco da água e misturar tudo junto, etc etc. Eu, claro, simplifiquei ao máximo. As Normas fariam o mesmo.



1 berinjela grande em cubos grandes ou tiras largas
3 dentes de alho picados bem miudinhos
1/2 cebola em tiras
orégano seco a gosto
um punhado bem cheio de manjericão fresco
1 colher de sopa de vinagre de vinho branco temperado (usei um com limão, mas imagino que só vinho branco fique legal também)
1 xícara de passata de tomate
2 tomates em cubos médios (opcional)
azeite de oliva quanto baste
sal e pimenta-do-reino a gosto


Em uma frigideira quente, acrescente fios de azeite de oliva e mexa a panela até cobrir o fundo. Coloque as berinjelas e refogue. Salgue, mexa mais um pouco e abafe. Baixe o fogo. Os cubos vão demorar um pouco mais para ficar molengas do que as tiras, então fique de olho. Quando estiverem quase entregando os pontos, coloque orégano, mais um pouco de óleo (caso tudo tenha sido absorvido) e refogue mais um pouco. Coloque o alho e a cebola, misturando bem e cuidando para não queimar. Coloque o vinagre ou vinho, deglace o fundo da frigideira se for o caso (ou seja, desgrude o que quer que tenha grudado) e entre com a passata de tomates. Neste ponto eu diminuo o máximo o fogo, chega a apagar às vezes, sempre com a panela tampada. Se você tiver pouca passata de tomate em casa como eu, pique dois tomates grosseiramente e coloque na panela. Deixe abafado até eles ficarem mais moles. Um pouco antes de apagar o fogo, rasgue com a mão as folhas de manjericão e coloque metade no molho. Corrija o tempero de sal e pimenta-do-reino. Misture no macarrão e sirva com o restante do manjericão fresco.

A medida do macarrão é a sua, eu não sei especificar. Este molho nestas proporções dá para duas pessoas que estão cortando carboidratos. Se não é o seu caso, dobre a receita e coma dois pratos de macarrão com a pessoa da sua vida, no estilo A dama e o vagabundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário